|

O Projeto Retrodatação

Descrição

Uma das tarefas do etimólogo é coletar contextos em determinadas obras e associá-los à data de publicação da mesma obra, que, necessariamente deve ser uma edição confiável. Por meio dessas datações, é possível estabelecer o terminus a quo da palavra e estabelecer etimologias. Tradicionalmente, o etimólogo é entendido como uma pessoa extremamente erudita, que sabe onde localizar as melhores fontes e não raro conhece detalhes de conteúdo das obras que consulta/cita. Obviamente, ter erudição e ser organizado são qualidades sempre desejáveis para o pesquisador desse trabalho, mas não é o ponto principal. O ideal é que o menor número de erros seja cometido. Erros que dependam apenas das propensões humanas sempre existirão, mas há alguns tipos de erros que podem ser evitados, como os motivados por cansaço e pela falta de atenção, dado o manuseio de um grande número de informações . Nesse ponto, acredita-se que um programa que faça a comparação automática de um determinado terminus a quo com a data da obra analisada auxiliaria muito as pesquisas.

As vantagens desse programa sobre a pesquisa manual seriam várias:

(a) numa pesquisa manual, o pesquisador não tem disponíveis em sua erudição todos os termini a quo de todas as palavras de uma língua, de modo que suas descobertas se pautam, na maioria das vezes, apenas pela “sensação” de que a palavra “não deveria estar naquele texto”, por ele supor (baseado exclusivamente na sua experiência de falante e/ou pesquisador) que a palavra seja mais recente do que a data do texto investigado;

(b) para sanar a impossibilidade de uma investigação exaustiva, o pesquisador acaba por se especializar, seja na forma (palavras com um determinado sufixo, por exemplo), seja no significado (por exemplo, palavras de um determinado campo semântico), seja numa suposta origem (por exemplo, palavras de origem africana). Desse modo, o texto precisaria ser revisto por uma quantidade indefinida de pesquisadores para dele serem extraídas todas as informações que possam ser interessantes para os estudos etimológicos.

Um programa que tivesse idealmente a lista de todas as palavras da língua portuguesa com seus respectivos termini a quo poderia teoricamente apresentar ao pesquisador todas as ocorrências em que a data do texto processado for menor que a do terminus a quo, sem que ele recorresse à sua erudição e sanaria os problemas do item (a) acima, ao mesmo tempo que faria uma varredura integral, anulando também a parcialidade indesejável de (b).

O projeto inicial do programa Moedor foi encaminhado à Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade de São Paulo em 2012, juntamente com a criação do NEHiLP e foi desenvolvido pelo NEHiLP entre 2013-2014

O problema do corpus

Embora trabalhe com dados, o NEHiLP não tem por objetivo criar um corpus próprio para divulgação, mas, antes, vale-se da colaboração de dados de outros grupos de pesquisa que trabalham com corpora para manter um banco sempre disponível e usado apenas por uma parcela dos pesquisadores que elaboram as fichas do DELPo, que podem manipular o programa concordanciador, disponível apenas para quem tem login. Desse modo, forma-se a figura do concedente, pesquisador que fornece material, cuja pesquisa será citada toda vez que dela se obtiver um verbete para o DELPo tanto nos lemas, quanto nas diversas acepções semânticas sob o mesmo lema. Por meio do programa Moedor e do Concordanciador, também será possível ter a datação de flexões e de variantes ortográficas. O NEHiLP se compromete a divulga as pesquisas dos grupos concedentes na sua página e nas abonações de seus dados, obtidas pelas pesquisas de busca presentes na versão com login. Resguarda-se, assim, a originalidade das pesquisas das quais os textos foram obtidos, ao mesmo tempo em que se atribui as responsabilidades e direitos de edição a esses mesmos grupos. Autores concedentes, se tiverem interesse de integrar-se à equipe do NEHiLP, serão considerados coautores do DELPo.

Estimula-se também que textos inéditos gerados pelos próprios integrantes do NEHiLP sejam doados aos grupos de pesquisas concedentes que se interessarem por eles. Com essa política, o NEHiLP pretende dar um passo adiante no desenvolvimento e no aprimoramento da questão etimológica da Língua Portuguesa, que atualmente se encontra estagnada e muito incompleta e sem a qual a pesquisa da Linguística Histórica se revela muito parcial.
Fechar
Esqueci a senha
Fechar